TAGS: "homicídios"

Honduras tem a maior taxa de homicídios do mundo, segundo a ONU

Agência EFE Honduras tem a maior taxa de homicídios do mundo, superando El Salvador e Costa do Marfim, e praticamente duplicou o número de mortes violentas em dez anos por conta do aumento do narcotráfico, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira pelas Nações Unidas. O país caribenho, que ficou à frente de El Salvador e Costa do Marfim, passou a contabilizar 92 homicídios por cada 100 mil habitantes, contra 51 homicídios para o mesmo... 

Livres para morrer?

Neste Dia da Independência, refletimos na incompletude do termo, do sentido, da configuração, dessa proposta que antes de tudo, é política! Que sendo política, define vivências. Nossas histórias reais desenrolam o novelo do amor e da dor, nesse contexto onde o poder não reparte direitos, a opressão enfileira os condenados e a injustiça tem legitimado as exclusões: Brasil, Nordeste, Alagoas, Maceió…e as violências de cada dia!

A Câmara de Vereadores de Maceió, na caminhada rente à mortandade juvenil em nosso Estado, nos tem proporcionado espaços de análises e debates sobre a temática da violência.

O sociólogo Julio Jacobo, em sua participação na evolução desse projeto, nos trouxe, em acordo com o mapa da violência divulgado, informações e recortes que comprovam a exclusão e sua força de manutenção do nosso país no atraso societário, que nos afasta da real independência.

“A zona da mata nordestina, um polo de coronéis, aparece entre as zonas de letalidade nacional.”coronéis,

“No número de homicídios em Alagoas, para cada branco que morre, morrem 20 negros.”

“Morte de branco é notícia, morte de negro não é notícia.”

Essas frases configuram o nosso “apartheid” ?

Por que conservamos polos de letalidade? Não deveríamos ser regidos pela mesma Carta Magna ? A Justiça não deveria atuar imparcialmente? Não temos um arsenal imenso de Leis em defesa dos direitos humanos?

Negros são mortos aos montes, semanalmente. Perderam o direito a ter nome quando se tornam cadáveres. São designados na imprensa policialesca com “meliante”, “marginal”, “usuário”, “traficante” e similares. Nem a condição da espécie prevalece ante o preconceito mortal.

Onde está a nossa independência, quando somos pobres e miseráveis em um país que destribui sua riqueza entre castas fechadas e adota a corrupção como mola mestra de sua política nacional ?

Na alternativa da segurança privada, segundo Jacobo, “quem pode pagar é o branco de classe média para cima, e quem não pode pagar é o negro de classe média para baixo.”

“A taxa de mortalidade branca em Alagoas é a penúltima do Brasil. Seria um país de 1º mundo.”

O propalado discurso da drogadição não se confirma nas estatísticas do país, relativamente ao uso de drogas. Quando tivemos 50.000 homicídios ao ano e menos de 2% da população usuária.

Confirmada a intencionalidade perversa do discurso para legitimar o morticínio.

Para Julio Jacobo, essa construção no imaginário da sociedade é ” uma fantasia útil, que sustenta uma mitologia autojustificadora.”

Nosso Estado, através da mentalidade policialesca e discursos governamentais, continua reforçando essa falácia.

Jacobo encerrou sua fala questionando: “Quanto ainda temos que pagar para entrar na fase da civilização?”

“Nas sociedades européias, asiáticas em geral, a taxa de suicídios é maior que a de homicídios. Nossa taxa de suicídios é menos que 5%. Homicídio não é fatalidade.”

Assim, neste Dia da Independência, ressaltamos com essa leitura social dos homicídios que nos aterram a cada dia na indignação e na dor, que a dependência política, social, cultural e econômica da classe pobre brasileira, nordestina, alagoana e maceioense é a responsável direta pelas mortes que nos desonram diante do mundo.

 

France Press: Crack e pobreza alimentam crime em Maceió, capital do homicídio no Brasil

France Press: Crack e pobreza alimentam crime em Maceió, capital do homicídio no Brasil
AFP Uma mistura de miséria e crack transformou Maceió na capital dos homicídios no Brasil, onde os que matam e morrem são, na maioria, jovens pobres, invisíveis para os turistas que lotam as praias paradisíacas da cidade. A violência passa ao largo da orla, dominada por hotéis de luxo. “A violência que provoca homicídios está restrita aos cinturões de miséria”, explicou Dario Cavalcante, secretário de segurança pública... 

Horas após caminhada pela paz em União, criança é morta

Uma criança de 12 anos é a segunda morta, em duas semanas, em União dos Palmares- horas depois da cidade realizar uma caminhada pela Paz. Com isso, são 14 homicídios em União desde 1o de janeiro. Segundo informações da Polícia Civil, a criança foi morta com requintes de crueldade, a facadas. A primeira criança, de dez anos, foi morta a pedradas. Segundo a Polícia Civil, ela tinha envolvimento com drogas. “Os mortos por envolvimento... 

Mais de 50 mil assassinatos no México

Compartilhe isso:TwitterFacebookLinkedInStumbleUponRedditGoogle +1EmailDiggTumblrImprimir Leia mais →

Federalizar crimes de pistolagem pode reduzir impunidade em Alagoas

Federalizar crimes de pistolagem pode reduzir impunidade em Alagoas
A vinda do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Alagoas pela segunda vez em um ano – neste mês de março – pode iniciar uma discussão sobre a onda de violência no Brasil, um dos países em que mais se mata e também um dos mais impunes para os seus criminosos. Alagoas é o Estado mais violento do Brasil, segundo o ministério. Em 1980 – de acordo com dados coletados pela Union Nations Office on Drugs and Crime baseados... 

Assassinatos contra jornalistas brasileiros preocupa entidades

Diante de três assassinatos de jornalistas cometidos nos primeiros 45 dias do ano, entidades de jornalismo repudiaram a escalada de homicídios e alertaram para o risco de impunidade nesses casos. Segundo relatório da ANJ (Associação Nacional de Jornais), desde 2009 tem aumentado o número de jornalistas mortos no Brasil em decorrência da atuação profissional. Naquele ano, a entidade contabilizou um homicídio. No ano seguinte, foram dois.... 

Rio tem menor taxa de homicídios dolosos desde 1991

Rio tem menor taxa de homicídios dolosos desde 1991
IstoÉ O Estado do Rio apresentou em janeiro deste ano o menor número de homicídios dolosos desde que os dados começaram a ser coletados, em 1991. Foram 323 vítimas no primeiro mês de 2012, contra 425 no ano passado e 447 em 2010. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (16) pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). Outra queda importante foi no índice de letalidade violenta, composto por quatro indicadores somados: homicídio doloso,... 

Após 20 homicídios no fim de semana, Governo libera R$ 2,7 milhões para segurança

Com um final de semana violento- 20 assassinatos, uma chacina envolvendo três pessoas no Jacintinho e um comerciante executado em União dos Palmares- o Governo liberou, nesta segunda-feira, R$ 2,7 milhões (exatos R$ 2.761.312,32) para a Secretaria de Defesa Social.  O dinheiro- diz o Governo- é para modernização do sistema de segurança e Corpo de Bombeiros.  O Governo liberou também verba para a Secretaria Estadual da Mulher, Cidadania e... 
Editorias Blogs   Acompanhe-nos:
 
Brasil A Melhor Notícia
Cidades Alma Pulcra  
Ciência Alagoas Etc e Tal   Repórter Alagoas
© 2012. Todos os direitos reservados.
E-mail: contato@reporteralagoas.com.br
Jornalista responsável: Odilon Rios Mtb 840 /AL
Economia Blog do Marcelo  
Educação Usina do Bem  
Entretenimento    
Esportes
Mundo  
Nordeste  
Política  
Saúde  
Tecnologia Desenvolvido por: leonardoreis.com