17 de março de 2017 • 5:48 pm

Ciência

Clima influenciou formatos de nariz, diz estudo

A forma e o tamanho do nariz evoluíram para se adaptar aos diferentes tipos de clima na Terra, revela um estudo publicado nesta quinta-feira pela revista científica americana PLOS Genetics. O estudo reforça conclusões precedentes de outros trabalhos que apontaram que as pessoas cujos ancestrais viviam em um clima quente e úmido têm tendência a […]

Nariz: os pesquisadores destacam que a história da evolução do nariz é complexa e envolve outros fatores (Mheim3011/Thinkstock)

Nariz: os pesquisadores destacam que a história da evolução do nariz é complexa e envolve outros fatores (Mheim3011/Thinkstock)

A forma e o tamanho do nariz evoluíram para se adaptar aos diferentes tipos de clima na Terra, revela um estudo publicado nesta quinta-feira pela revista científica americana PLOS Genetics.

O estudo reforça conclusões precedentes de outros trabalhos que apontaram que as pessoas cujos ancestrais viviam em um clima quente e úmido têm tendência a apresentar um nariz maior do que o de descendentes de populações de regiões frias e secas.

Segundo os pesquisadores, um nariz mais estreito permite ampliar a umidade do ar ao aquecê-lo, o que é bom nas regiões mais frias e secas.

O ar frio e seco não é bom para as vias respiratórias, destaca Arslan Zaidi, do departamento de Antropologia da Universidade Estadual da Pensilvânia.

“Não há um formato de nariz universalmente melhor. A realidade é que nossos ancestrais eram moldados pelo ambiente”.

A equipe científica internacional usou imagens em 3D para medir a forma do nariz de 476 voluntários cujos ancestrais viveram no sul e no leste asiático, na África ocidental e no norte da Europa.

Os pesquisadores destacam que a história da evolução do nariz é complexa e envolve outros fatores, inclusive preferências culturais na escolha do parceiro sexual, que pode ter desempenhado um papel.

Examinar esta evolução e como as fossas nasais se adaptaram ao clima pode ter repercussões médicas e antropológicas.

“Os estudos sobre a adaptação humana ao meio ambiente são essenciais para nossa compreensão das doenças e poderão esclarecer as origens de certas patologias, como a anemia por células falciformes, a alergia àlactose ou o câncer de pele, mais frequentes em certas populações”.

O aprofundamento da questão pode revelar se a forma e o tamanho da cavidade nasal estão ligados ao risco de se contrair uma doença respiratória quando a pessoa vive em um clima diferente de seus ancestrais.

Por AFP

Deixe o seu comentário


© 2012 - 2014 Repórter Alagoas. Todos os direitos reservados. E-mail: contato@reporteralagoas.com.br Jornalista responsável: Odilon Rios - MTB 840 / AL