9 de janeiro de 2017 • 7:06 pm

A Melhor Política

Quando a mulher vira penduricalho da política

Afinados com o discurso nacional, políticos alagoanos se referem à mulher como responsável por ações sociais associadas à imagem maternal, cuidadora, como convém às suas companheiras louras ou enlourecidas. O enlevo que tem envolvido a camada conservadora com a volta do patriarcalismo como modelo de sucesso, traz  expressões felizes aos moralistas e ignorantes contemporâneos, fincados […]

Afinados com o discurso nacional, políticos alagoanos se referem à mulher como responsável por ações sociais associadas à imagem maternal, cuidadora, como convém às suas companheiras louras ou enlourecidas.

O enlevo que tem envolvido a camada conservadora com a volta do patriarcalismo como modelo de sucesso, traz  expressões felizes aos moralistas e ignorantes contemporâneos, fincados em seus torrões de dominação, em conservação dos piores modelos relacionais.

Em linha de análise endógena, por certo, as políticas municipais fazem o Brasil revelar o insucesso humanitário do que se empreende nas políticas interioranas.

No interior do Brasil se conserva o pior tipo de uso dos bens públicos, com recheio de abusos e coerções. O herói é anti-herói; assume publicamente seu desrespeito às leis e cria outras baseadas em perseguições e arbitrariedades, com enriquecimento rápido e aceito por seus pares e eleitores, normalizando todo descaminho e criminalizando qualquer anseio coletivo.

Para garantir esse cenário estanque, a todos os políticos desse naipe interessa a conservação das tradições arcaicas e a detenção do avanço de qualquer pensamento libertário. No silêncio da prática endurecida tais indivíduos corroboram com o combate de tudo o que emancipe a mulher, o negro, o homossexual, o autônomo do pensamento…

A estabilidade que esconde a dor dos espoliados é objeto de muito interesse para o mau político brasileiro.

Nesse contexto, suas fúteis ou coniventes parceiras costumam ser apresentadas como benfeitoras e humanitárias, se tornando rosto e carimbo quando assumem as secretarias estratégicas, já que nepotismo é algo que não existe mais no país, um termo obsoleto.

A tais mulheres com sina de penduricalhos da história, nenhum suspiro ou condolência, mas toda essa frieza no olhar, pela atitude que embota o verdadeiro sentido das lutas por igualdade de direitos e representações de gênero no cenário social.

Nada me inspiram. A elas e a eles, o repúdio por sequenciarem as pobrezas materiais e simbólicas que roubam a vida e seu sentido, adoecendo nosso país com alienação e arcaísmo.

Deixe o seu comentário


© 2012 - 2014 Repórter Alagoas. Todos os direitos reservados. E-mail: contato@reporteralagoas.com.br Jornalista responsável: Odilon Rios - MTB 840 / AL